top of page

50 Dicas para Criar Filhos Bilingues por Adam Beck

Posted on August 16, 2017 by Ana Cristina Gluck no site abcmulticultural.com



Adam Beck mora em Hiroshima, Japão. Ele imigrou para o Japão em 1996 e casou-se com uma japonesa. Seus filho são bilingues: falam tanto inglês quanto japonês. Quando mudou-se para o Japão, Beck deu aula de inglês para crianças bilíngues por muitos anos na Hiroshima International School. Ao sair da escola, ele continuou tutoriando crianças bilíngues e, em setembro de 2012, lançou o blog Bilingual Monkeys, onde ele compartilha tudo o que aprendeu ao longo dos anos como professor e pai com o intuito de ajudar outros pais com crianças bilíngues. Beck também possui um fórum chamado The Bilingual Zoo e é autor do livro Maximize A Capacidade Bilingue do Seu Filho, disponível no Amazon. Abaixo estão suas 50 dicas para criar filhos bilíngues:


1. Comece cedo

Se você é proativo desde o início, você vai ter uma chance muito maior de nutrir um bom equilíbrio na habilidade bilíngue da criança. Desde o nascimento até a idade de 6 ou 7 anos é um período muito importante por duas razões: 1) os cérebros jovens estão mais preparados para a aquisição da linguagem, e 2) quando a criança começa a frequentar a escola na língua majoritária, torna-se mais difícil “reequilibrar” as duas línguas. Em outras palavras, investir tempo e energia mais cedo vai lhe ajudar a conquistar o equilíbrio que busca e, depois, manter esse equilíbrio durante a infância. Tentar “recuperar o tempo perdido” da língua minoritária é muito mais difícil. (Veja Aviso Aos Novos Pais Que Sonham Em Criar Uma Criança Bilíngue)

2. Dê prioridade

Tornar isso uma prioridade vai de mãos dadas com ser proativo. Se o desenvolvimento da língua minoritária da sua criança não for uma das maiores prioridades da sua família, é provável que a língua majoritária venha a ser dominante e a língua minoritária será relegada a um papel passivo. Não subestime o quão rápido isto acontece a partir do momento em que a criança começa a participar mais no mundo a sua volta e a passar a maior parte de suas horas imersa na linguagem da comunidade em geral. Torne a língua minoritária uma prioridade desde o início e você reforçará as chances de alcançar o sucesso a longo prazo. (Veja Em Qual Idioma Devo Falar Em Público Com Meu Filho Bilíngue? para opiniões do autor – e muitos comentários de outros – sobre o uso que os pais fazem da linguagem minoritária e da linguagem majoritária.)

3. Não o deixe ao acaso

“Não deixe a sorte e as circunstâncias determinarem o resultado. Você deve ativamente moldar a situação, de forma contínua, para que seu filho receba estímulos suficientes na língua minoritária para contrabalançar o peso da exposição proveniente da língua de sua comunidade. Alguns tomam uma atitude mais “laissez-faire”, dizendo que a língua minoritária pode ser pega mais tarde, quando o filho é mais velho. Isso pode ser verdade em alguns casos, mas há também o desejo natural de muitos pais de interagir com seus filhos em sua língua materna durante os anos da infância, bem como a necessidade de uma linguagem compartilhada para que as crianças possam se comunicar com outros membros da família.” (Veja Por Que Comunicar Em Inglês Com Meus Filhos É Tão Importante Para Mim para os pensamentos pessoais do autor sobre este ponto.)

4. Estabeleça uma meta

“Estabeleça uma meta clara para a habilidade do seu filho na língua minoritária. Você vai se contentar com fluência oral e se preocupar menos com a leitura e a escrita? Ou a alfabetização é importante para você também, e você gostaria de vê-lo ler e escrever ao nível de uma criança monolíngue? Seja qual for seu objetivo, articule-se e certifique-se de que seus esforços correspondem ao que você almeja. Boa capacidade de leitura e escrita são alcançáveis, mas esta meta exigirá um empenho diligente seu e de seu filho.”

5. Informe-se

“Ao informar-se mais sobre crianças e bilinguismo, você será mais capaz de promover o desenvolvimento da proficiência linguística do seu filho. Recorra a livros úteis, recursos on-line e a outros pais para ampliar seus conhecimentos e ideias. Procure associações sobre bilinguismo ou associações de pais em sua região para mais apoio e camaradagem.” (Junte-se ao autor e a outras pessoas ao redor do mundo no The Bilingual Zoo, um fórum animado e acolhedor para “guardiões” de crianças bilíngues.)

6. Escreva sobre isso

“Junto com a leitura sobre este assunto, quando você escreve sobre sua experiência criando filhos bilíngues (em um jornal, blog, fórum, etc), você naturalmente torna-se mais consciente, proativo e eficaz em seus esforços diários. Para fortalecer suas perspectivas e ações, e o progresso de seus filhos, o simples hábito de escrever regularmente sobre sua experiência pode ser profundamente forteleçador.” (Veja Faça Esta Simples Coisa E Garanto-lhe Maior Sucesso Em Sua Jornada Bilíngue.)

7. Ignore os críticos

“Algumas pessoas, mesmo aquelas que de outra forma são bem-educadas, podem alertar que seu filho vai ficar “confuso” ou sofrer outras dificuldades ao aprender duas línguas ao mesmo tempo. Não deixe que tais comentários o desanime. Escute o conselho dos outros sempre com uma pulga atrás da orelha. Não há um “padrão” quando se trata de famílias que criam crianças bilíngues. No meu caso, estou ansioso para ouvir sobre as experiências de sucesso dos outros – porque talvez eu possa adotar ou adaptar essas estratégias para minha própria família – mas só eu posso realmente decidir o que é apropriado para a minha situação particular.” (Veja Quando Você Sente Falta de Apoio das Pessoas ao Seu Redor Em Sua Jornada Bilíngue para mais conselhos.)

8. Mantenha as “condições essenciais” em mente

“As duas “condições essenciais” para promover com êxito a aquisição da linguagem e seu uso ativo são a exposição e a necessidade: a criança deve receber exposição suficiente à língua-alvo e sentir uma necessidade orgânica de usá-la. Se uma ou ambas as condições estiverem faltando, o resultado mais provável será a “habilidade passiva” nessa língua. Em outras palavras, a criança vai entender muito do que ouvir, mas se comunicará na linguagem majoritária. É claro que essa habilidade passiva pode ser ativada mais tarde, mas, novamente, o progresso exige a satisfação dessas duas “condições básicas”. Em suma, o bilinguismo está sempre ligado à exposição e à necessidade.” (Para muito mais sobre este conceito chave, veja O Que Fazer Quando Sua Criança Bilíngue Não Fala Sua Língua e Por Que Criar Uma Criança Bilíngue É Muito, Muito Simples – E Muito, Muito Difícil.)

9. Adote uma estratégia

“Como você vai usar as duas línguas dentro de sua família? Duas estratégias comuns são a abordagem “uma pessoa, uma língua” (onde cada um dos pais fala a sua língua materna) e a abordagem da “língua minoritária em casa” (onde ambos os pais utilizam a língua minoritária em casa e a língua majoritária é adquirida a partir de a comunidade). Seja qual for a estratégia que você escolher, o importante é ter certeza de que a criança tem uma necessidade natural de usar a língua minoritária e de que ela é suficientemente exposta ao idioma-alvo. A família deve, então, manter consistentemente a sua estratégia, a menos que uma mudança nas circunstâncias justifique uma mudança na abordagem.” (Veja Qual É A Melhor Estratégia De Idiomas Para Criar Crianças Bilíngues? para mais sobre esta questão central.)

10. Decida sobre a escola

“A estratégia de linguagem que você escolher adotar também pode depender das decisões escolares que você fez. Seu filho frequentará a escola no idioma majoritário ou na língua minoritária? A escola terá uma combinação dos dois? Ele estudará em casa? Independente do que decidir, olhe bem para a exposição da sua criança aos idiomas e procure manter um equilíbrio entre as duas línguas. Para a língua minoritária, uma boa meta seria cerca de 25 horas de exposição por semana. (Isso é aproximadamente 30% das horas em que a criança está acordada, dependendo da rotina. Quantidades menores que 20 horas por semana podem ser motivo de preocupação.) Por outro lado, se o seu filho frequenta a escola na língua minoritária, você pode precisar reforçar certos aspectos da linguagem majoritária – principalmente a leitura e a escrita – com apoio adicional.” (Veja Quantas Horas Por Semana Seu Filho Está Exposto Ao Idioma Minoritário? e Por Que Eu Não Quero Que Meus Filhos Se Dêem Bem na Escola.)

11. Aproveite cada dia

“O desenvolvimento bilíngue de uma criança é um processo a longo prazo mas só pode ser avançado pouco a pouco, dia a dia, através de hábitos e rotinas regulares. Assim, a ideia de “aproveitar cada dia” – agir dia após dia – está no cerne deste desafio. Esforce-se para estar consciente de seu objetivo e comprometa-se a fazer o seu melhor, a cada dia, para avançar alguns pequenos passos. Lembre-se de que na lingua majoritária, a criança continuará se desenvolvendo sempre, então você deve ser o mais consistente e que puder quando se trata de fornecer apoio à língua minoritária.” (Para inspiração, veja 8 Meditações Sobre O Tempo E A Arte de Criar Uma Criança Bilíngue e Um Amigo Meu Morreu.)

12. Pratique “medicina preventiva”

“Uma das chaves para minimizar as dificuldades na jornada bilíngue é a “medicina preventiva”. Em outras palavras, nosso objetivo é evitar que dificuldades maiores surjam, fazendo esforços efetivos de antemão. Por exemplo, ao ser proativo e proporcionar à criança uma forte exposição à língua minoritária durante os primeiros anos de formação, a capacidade ativa na linguagem pode ser promovida e o problema de ativar a capacidade passiva mais tarde é evitado. Pensando adiante, e tomando a ação apropriada, a jornada pode proceder de forma mais suave e com mais sucesso.” (Para mais sobre “medicina preventiva”, veja O Que Me Frustra Sobre A Criação De Crianças Bilíngues.)

13. Permaneça paciente

“O desenvolvimento da linguagem é um processo incremental ao longo do tempo. Isto é verdade, naturalmente, para o progresso de uma criança em qualquer idade, mas os primeiros anos – aguardando ansiosamente as primeiras palavras da criança – podem ser um teste especial de paciência, especialmente para os novos pais. Não é incomum para os novos pais se perguntarem se o filho vai começar a falar. Mas quando há exposição suficiente à linguagem e uma verdadeira necessidade de usá-la – e nenhuma outra preocupação de desenvolvimento está presente – a criança certamente vai falar quando for a hora certa. O mesmo é verdadeiro para o desenvolvimento da linguagem durante a infância: dada a exposição adequada e a necessidade, o progresso gradual é garantido.” (Para uma metáfora deste processo de aquisição precoce da linguagem, veja Pensamentos Importantes Sobre Bebês e Martelos.)

14. Divirta-se

“Não há como contornar o fato de que criar uma criança bilíngue é difícil para todos os envolvidos, por isso é importante tornar a experiência agradável sempre que puder. É um equilíbrio estranho, mas eu acho que é bom ser sério e brincalhão ao mesmo tempo: sério sobre o processo e brincalhão quando se trata de desenvolver esse processo. Metade disso é simplesmente atitude, mas a outra metade envolve a implementação de atividades (livros, histórias, enigmas, jogos, etc.) que podem alimentar o desenvolvimento da linguagem de uma maneira alegre. (Ver Ser Muito Sério, Ser Muito Brincalhão. A Jornada Bilingue Exige Ambos. e A Experiência do Pensamento: O Que Seus Filhos Se Lembrarão Mais de Você?)

15. Converse, converse, converse com seu filho

“Estudos mostram uma correlação positiva entre a quantidade de linguagem usada pelos pais  com os filhos durante os primeiros anos e a habilidade da criança na língua posteriormente. Em outras palavras, a quantidade de fala direcionada à criança pelos pais e cuidadores desde o nascimento até os 3 anos de idade tem um tremendo impacto no desenvolvimento da linguagem. (É claro que a qualidade dessa fala também é importante!) Embora eu não recomende falar demais nas orelhas de um bebê – as crianças também precisam de tempo de silêncio para que seus cérebros consolidem as novas descobertas de cada dia – aconselho os pais que falam a língua minoritária a serem proativos na interação com seus filhos.” (Veja A Coisa Mais Poderosa de Todas para Estimular o Desenvolvimento da Linguagem para mais informações sobre esta pesquisa e os pensamentos do autor sobre o assunto.)

16. Clone-se

“Quando seus filhos são pequenos e têm necessidade de exposição à língua minoritária, pode ser frustrante quando você, que serve como a principal fonte dessa exposição, é incapaz de passar tanto tempo quanto gostaria com eles devido ao trabalho ou outros fatores. Uma maneira de suprir essa falta de contribuição – e, novamente, se divertir no processo – é criar vídeos de si mesmo lendo livros ilustrados, contando histórias, cantando músicas e conversando com seus filhos. Eu fiz isso quando meus filhos eram mais jovens e pedi para minha esposa mostrar esses vídeos para eles todos os dias por cerca de 30 minutos. Os vídeos os cativaram (e os maravilhavam quando acontecia de eu estar no mesmo local!) e adicionaram muitas horas de exposição à linguagem alvo durante esses anos.” (Veja O Guia do Pai Ocupado para Clonar-se para todos os detalhes.)

17. Leia em voz alta todos os dias

“Ler em voz alta para o seu filho na língua minoritária, pelo menos 15 minutos por dia, é uma prática essencial quando se trata de nutrir uma boa capacidade bilíngue. Pode parecer muito simples, mas ler em voz alta regularmente tem um enorme impacto sobre o desenvolvimento da linguagem da criança, assim como no seu interesse em livros e na alfabetização. Se você não ler em voz alta, de preferência a partir do primeiro dia, e continuar pelo tempo que for possível, será muito mais difícil para seu filho desenvolver uma forte proficiência na língua minoritária.” (Para mais sobre este assunto importante, veja O Segredo de Criar uma Criança Bilíngue e Recursos Recomendados: Livros Bons para Ler em Voz Alta.)

18. Recorra a livros em capítulos

“Assim que seus filhos atingirem a idade e nível de linguagem adequados, eu recomendo a leitura em voz alta de livros mais longos, com capítulos e em séries. Isso é uma forma de torná-los “viciados” em leitura. Faça isso diariamente e rapidamente lançará um feitiço que estimulará seu apetite pela literatura. E, se ler regularmente pessoalmente é difícil, tente “clonar-se” em vídeo e o seu cônjuge tocar um capítulo ou dois por dia.” (Veja Como Fazer sua Criança Ficar Presa em Livros para uma lista de boas séries em inglês.)

19. Construa uma biblioteca em casa

“Você não pode ler em voz alta para o seu filho regularmente se você não tiver livros adequados na língua minoritária, incluindo livros “de capítulos” que vêm em série de 5 ou 15 ou até mesmo 25+ livros. Os custos podem aumentar, eu sei, mas no longo prazo, os livros são um investimento pequeno, quando o retorno final em boa capacidade de linguagem é muito grande. Corte em outras áreas do seu orçamento, se você deve, mas não economize quando se trata de colocar livros infantis em sua casa.” (Veja Quantos Livros Você Tem Em Sua Casa? para pesquisas que enfatizam a importância de uma boa biblioteca doméstica.)

20. Incentive “home run books”

“Home run books” são livros que as crianças não só gostam muito, mas com os quais eles também adquirem, mais profundamente, um amor para a leitura. Quanto mais destes livros você é capaz de trazer para sua casa, em todas as fases da infância, mais seus filhos provavelmente crescerão para se tornarem leitores ansiosos. E, ajudando seus filhos a encontrar livros favoritos e desenvolver paixão pela leitura, sua língua minoritária continuamente se beneficiará, agora e no futuro. (Veja O “Home Run Book”: Uma Ideia Chave Para Promover O Desenvolvimento da Língua de Uma Criança.)

21. Dê livros como presentes

“Ao manter como uma prática dar livros na língua minoritária como presentes para aniversários, Natal e outras ocasiões especiais – e encorajar a família e os amigos a fazer o mesmo por seus filhos – você vai alcançar três coisas importantes: 1) ajudar a promover o amor pelos livros e a literatura; 2) transmitir a ideia de que os livros são especiais e valorizados por entes queridos deles (até pelo Papai Noel); e 3) continuar aumentando a sua biblioteca doméstica, o que deve ser um esforço contínuo.”

22. Visite a biblioteca pública

“Isso naturalmente dependerá de sua localização e idioma alvo, mas talvez a biblioteca pública em sua área possua uma seleção de livros ilustrados que você possa pegar emprestado de graça – não dói investigar. Aqui, em Hiroshima, a biblioteca infantil possui uma coleção bastante grande